Exposições Outubro 14

Exposições que pode admirar durante o mês de Outubro em: Elvas, Estoril, Estremoz, Lisboa, Oeiras, Palmela, Pinhal Novo, Samora Correia,

 

 

 

Elvas

 

A exposição "Joaquim Bastinhas, de Elvas para o Mundo” está patente ao público, na Casa da Cultura, em Elvas e marca o regresso dos eventos culturais àquele espaço.

A mostra pode ser visitada até 20 de outubro e está integrada no programa das Festas do Senhor Jesus da Piedade e da Feira de São Mateus.

De 1 a 20 de outubro, de segunda-feira a sábado, das 10 às 18 horas.

 

 

Estoril

 

Patente na  Galeria de Arte do Casino Estoril  uma exposição de João Feijó intitulada Zen Connection, uma mostra incontestavelmente marcante na carreira artística do autor. João Feijó assume-se como aguarelista, integrando-se na execução de novas técnicas, marcadas por uma abordagem, que acaba de assumir, gestualista e espontânea, de cariz expressionista, com os efeitos cromáticos conseguidos na diversidade e riqueza de cores utilizadas, o púrpura, o lilás, o roxo, a cor de ferrugem, os verdes água e esmeralda, e os azuis com grande número de tonalidades, num verdadeiro festival de cores, que acabam por ser a essência da pintura.

A sua preferência pela aguarela veio-lhe, no seguimento dos seus primeiros contactos com o mundo artístico, terem surgido, através desta modalidade, decisão que foi fruto da sua personalidade, formação intelectual e artística e gosto pessoal.

 

Para além das 25 aguarelas apresentadas, todas de grande qualidade, João Feijó apresenta 15 acrílicos, num expressionismo abstracto, que em nada destoam da qualidade das aguarelas.

 

Quando olhamos para os trabalhos de João Feijó, vemos ali não apenas a cor, com a sua beleza, como também a poesia com o seu encanto. Somos levados a pensar que a poesia se encontra em todos os seus trabalhos, possivelmente, resultado do ADN familiar do seu autor, na pessoa do grande poeta limiano, seu antepassado, António Feijó, em cuja obra literária se destacam livros de poesia como “Líricas Bucólicas”, “Livro de Jade”, “Ilha dos Amores” e “Cancioneiro Chinês”.

 

Esta exposição ficará patente ao público, todos os dias, das 15 às 24 horas, de 19 de Setembro até 15 de Outubro.

 

Estremoz

 

 

Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte

 

“OS PRINCIPEZINHOS” - exposição de pintura de Oliveira Tavares. O nome da exposição é retirado do título de um dos quadros e o artista por sua vez foi buscá-lo ao célebre conto de Saint Exupéry, “O Pequeno Príncipe” - Sala de Exposições Temporárias do Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte (até 19 de outubro).


 Museu Municipal

 

Exposição “Erotismo na Coleção de Desenho do Museu Municipal de Estremoz” no Museu Municipal de Estremoz, a partir do dia 4 de Outubro.

 

Regimento de Cavalaria

“FORTIFICAÇÕES MILITARES” exposição integrada nas Comemorações do 307 aniversário do RC3 - Sala do Capítulo do Regimento de Cavalaria 3 (até 2 de outubro);

- “AGUARELAS” sobre Arquitetura Militar e Atividades de Cavalaria – exposição de aguarelas do pintor António Luís Silva - Casa de Sargentos do Regimento de Cavalaria 3 (até 15 de outubro);

 

 

Lisboa

 

 

A Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) inaugura,  dia 7 de Outubro, pelas 11.30 h, a exposição O Dinheiro no Tempo de Fernão Mendes Pinto,uma mostra de moedas do acervo do Museu Numismático Português, integrada no âmbito das comemorações dos 8 séculos da Língua Portuguesa e dos 400 anos da publicação da obra Peregrinação.

A exposição, de entrada gratuita, vai estar patente até dia 29 de dezembro, no átrio da Casa da Moeda, apresentando ao público 71 exemplares de moedas de ouro, prata, cobre e calaim que circularam no tempo de Fernão Mendes Pinto, o aventureiro escritor da obra Peregrinação, contextualizando a época em que o autor viveu.

 

 

Oeiras

Inaugura no dia 24 de outubro, às 19.30, no Palácio do Egipto, a exposição de Sofia Areal em Oeiras que   ficará patente de 25 de Outubro a 18 de Janeiro de 2015

 

Sofia Areal conta no seu currículo com inúmeras exposições individuais e coletivas

 A artista venceu o Prémio Fémina para as Artes Visuais

O Centro Cultural Palácio do Egipto apresenta a exposição “7 Virtudes Vitais” de Sofia Areal” de 25 de Outubro de 2014 a 18 de Janeiro de 2015. Nesta exposição são apresentados ao público cerca de 40 trabalhos recentes em diversos suportes: madeira, tela e papel, repartidos por várias séries.

A inauguração, para convidados e comunicação social, realiza-se na sexta-feira, 24 de Outubro, as 19H30.

 As 7 Virtudes Vitais são, segundo Sofia Areal, intenção, firmeza, movimento, equilíbrio, cor, ritmo e transparência. Citando a própria artista: “(…) nesta exposição inicio um novo ciclo em que mais do que nunca quero insistir nestas virtudes que ao longo de 35 anos de trabalho vejo, cada vez mais, como sendo urgentes e necessárias na arte e na vida” (…) “Nestes trabalhos reafirmo e renovo o meu vocabulário e essas virtudes.”

Uma exposição de Sofia Areal em que nos será revelado de forma como sempre intensa, um novo fôlego, um novo ciclo.

Dia 8 de Novembro será realizada uma visita guiada por Sofia Areal. No dia 10 de Janeiro teremos uma conversa com Sofia Areal e a Jornalista Ana Sousa Dias, autora do texto de apresentação do catálogo da exposição.

Horário da exposição:

De 3Feira a Domingo das 12h00 às 18h00

Fechado aos feriados

Palmela

 

Até 2 de novembro, a Igreja de Santiago, no Castelo de Palmela, é palco da exposição “Catapultas e Máquinas de Cerco (séc. V a.C. – séc. XV d.C.)”, numa organização de Cultura Entretenida com o apoio da Câmara Municipal de Palmela.

Reproduções de catapultas, gruas, arietes, torres de assalto e peças de artilharia, entre outras, estão no centro desta mostra, que pretende dar a conhecer a tecnologia e a engenharia bélica da Antiguidade, de acordo com as perspetivas dos sitiados e dos sitiadores. Na exposição, organizada por blocos históricos, com especial destaque para as civilizações grega e romana, e para a Idade Média, apresenta-se a forma como estas máquinas se constituíram como veículo através do qual os cientistas de cada época aplicaram os seus conhecimentos.

Incluem-se, ainda, objetos diversos, que reproduzem relevos e peças arqueológicas, mecanismos alternativos às molas de torção, projéteis e ilustrações de cercos, representativos de diferentes épocas históricas.

Mais informação em www.culturaentretenida.com

Horário de verão (até 7 de setembro): 10h00/20h00

 

 

Pinhal Novo

 “Imagens da Terra – Série anos 90” é o título da exposição de fotografia de Paulo Nobre, que estará patente no Mercado Municipal de Pinhal Novo, entre 18 e 26 de outubro.

            Esta mostra, acompanhada pela apresentação de uma coleção de postais, recupera o inicio do percurso fotográfico do autor, iniciado há 20 anos atrás, com o projeto “Pinhal Novo numa noite”.  A vila de Pinhal Novo surge, aqui, retratada na década de 90, através de uma abordagem histórica e retrospetiva que nos permite apreciar a evolução deste núcleo urbano nas duas últimas décadas.

            Paulo Nobre, 42 anos, vive em Pinhal Novo, onde cedo se envolveu na vida associativa local. Interessado na área audiovisual, realizou, em 2007, um documentário sobre o Festival Músicas do Mundo, de Sines.

 

Samora Correia

 

O Palácio do Infantado, em Samora Correia,acolhe até Janeiro de 2015, a Exposição de Fotografia e Instalação “Oliveiras, Irmãos – Símbolos de uma época”, que marca também o início das Festas em Honra de Nª. Sra.ª da Oliveira e Nª. Sra.ª de Guadalupe.

 

Esta é uma exposição que traça cronologicamente o percurso de uma das Casas Agrícolas/váriasGanadarias mais importantes do país, fundada em 1895 por João Pedro Oliveira através de vacas de Tomáz Piteira e vacas da Companhia das Lezírias, com semental de Infante da Câmara, agregando posteriormente reses de Norberto Pedroso e Francisco dos Santos (Alfaiate). Entretanto, por morte do seu titular em 1920, passa a anunciar-se a ganadaria em nome de Viúva Oliveira e Filhos, mantendo o ferro inicial.

 

Mais tarde todo o efectivo foi substituído por reses de Cláudio Moura (Soler) e em 1938 são adquiridas vacas de Joaquim Oliveira Fernandes e Pinto Barreiros, às quais é lançado um semental de Alves do Rio, eliminando-se toda a origem Soler, vendida a José Pedrosa e Vicente de Almeida.

 

Em 1944 forma-se a Sociedade Oliveiras Irmãos que adopta o ferro actual, mantendo-se, desde então, sem introdução de reses de outra proveniência, definindo morfológica e funcionalmente um animal que tem sido base ou cruzamento ideal de muitos outros efectivos, podendo assim considerar-se como um encaste tipificado. O direito a membro da “Union de Criadores de Toros de Lidia” é adquirido em 1963 por compra do ferro de António Oliveira Durão.

 

Já mais recentemente,  em 2003, forma-se a sociedade Oliveiras - Exploração Agrícola, Lda; que aumenta o efectivo com reses de Gimenez Indarte que são levadas em separado.

 

Dizer ainda que esta exposição conta com várias fotografias de família, fotografias de Corridas e dos Toiros mais imponentes e importantes da ganadaria nestes mais de 100 anos de existência. Para além das fotos, os visitantes podem tomar contacto com inúmeros objectos familiares e da Herdade, como os Ferros da Ganadaria, Capotes, Muletas, Documentos dos Animais, e os trajes de luces mais emblemáticos dos toureiros da Baracha – António José Oliveira e Eduardo Oliveira.

 

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!