Notícias de cá... 27 abril 16

 
 
 
 
 
 
 
 
Marcelo Rebelo de Sousa encontrou-se com 13 refugiados sírios que a Cruz Vermelha acolhe na região do Alentejo e fez tradução simultânea para as televisões. Ouviu a história do jovem que pagou 1200 euros para o barco onde em vez de 25 iam 65. De como sonhou ir para o Norte da Europa mas acabou no Portugal que desconhecia. E de como hoje está "happy". "Are you happy here, really?", eis Marcelo, o tradutor. Deixou-lhes um aviso: "Alguém passou a mensagem de que bom era a Alemanha". O PR não duvida: "Há qualquer coisa que não funciona bem" na Europa.
Três meses depois de ter sido eleito Presidente da República, Marcelo voltou à estrada e está igual ao candidato. A olho nu, o cargo não mudou o homem. Até ver, Marcelo está intacto. "Posso tirar uma selfie ? Olhe, carregue aqui. É o melhor de nós!" A alentejana atiradiça não ficou sem resposta. O Presidente fez como fazia o candidato: colou-se a ela, carregou para a selfie e reagiu em conformidade: "O melhor de nós? Essa nunca tinha ouvido. Só noutras ocasiões!" Os sons gravados pelos repórteres das rádios não enganam. Hé registos de gargalhadas em quase todas as conversas de ruas com o sucessor de Cavaco. Marcelo continua a festa da campanha e o povo continua a gostar da festa. No dia da posse, como na visita a algumas instituições militares, o PR mostrou o lado institucional e deixou perceber o esforço para caber no fato. Mas na rua não há nada a fazer. Tirando a maquilhagem (base) que passou a trazer na cara a informalidade está à solta. "Olhe, caiu-lhe um brinco. E os brincos estão pela hora da morte", grita a uma mulher que vai na enxurrada de abraços numa rua de Évora. "Você pinta o cabelo. Mas não esqueça as raizes!" ouve outra. Mário Soares nunca terá dito tanto. O staffpresidencial não comenta. Aparentemente, adapta-se. " O "Portugal Próximo" - para o povão, como para o Governo - ainda vai no adro. 
 O aglomerado de empresas aeronáuticas de Évora vai promover, nos próximos dois anos, a criação de 500 novos empregos. No parque industrial da cidade, vão nascer, ao lado da construtora brasileira Embraer e da Air Olesa, produtora de sistemas e componentes aeronáuticos, duas novas empresas ligadas ao sector, ambas de origem francesa. A Mecachrome, já em fase de instalação, vai necessitar de 400 novos trabalhadores para o fabrico de componentes metálicos para aeronaves. A Lauak irá gerar 100 postos de trabalho para a produção de peças.
 Pacheco Pereira. João Semedo, Ama Gomes e Marisa Matias estarão juntos a 5 de Maio para apoiar os presos políticos angolanos. A ideia partiu da editora Bárbara Bulhosa e do ex-lider bloquista João Semedo. O objectivo é lançar um movimento de apoio entre políticos, artistas e personalidades da cultura, no próximo dia 5 de Maio, em Lisboa, em sessão pública de apoio à libertação dos 17 activistas angolanos, presos pelas autoridades de Luanda. Entre outros a comissão promotora conta Ana Gomes, Isabel Moreira, Sónia Fertuzinhos, Pacheco Pereira, Ricardo Sá Fernandes ou Marisa Matias. Pilar de Rio, Ricardo Araújo Pereira e José Eduardo Agualusa também vão estar presentes.
cyberjornal, 27 abril 2016
  

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!