Breves, 16 abril 16

Cascais

Hoje, às 18 horas, Recital da OCCO – Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, na Casa das Histórias Paula Rego - Auditório Maria de Jesus Barroso, em Cascais.

Notícias de cá... 11 abril 16

Por: A.F.
Na Corticeira Amorim não se fazem apostas sobre o desempenho da seleção portuguesa de futebol no Europeu em França, em Junho próximo, mas todos garantem que a cortiça vai vencer o campeonato onde alinha em cinco estádios com uma nova solução criada para relvados sintéticos e naturais que também tem nos Estados Unidos um mercado promissor. A Corticeira vai, também, levar a cortiça à nova geração de comboios Alfa Pendular da CP, num projecto que envolve a solução AluCork, desenvolvida para o Inspiro, o metro de última geração da multinacional alemã Siemens, já a circular em Varsóvia (2013) e a caminho de Riade (2017), vindo a confirmar os transportes como uma área de negócio mais promissoras da empresa. Neste caso está em causa um novo piso com uma composição de cortiça aglomerada de baixo peso e peles de liga de alumínio, na dianteira das soluções de baixo peso desta indústria. Com um portefólio de projectos variados nesta área, dos componentes para autocarros e automóveis ao desenvolvimento de sistemas acústicos e térmicos para a aeronáutica, ou a redução da vibração e da poluição sonora das linhas de caminho de ferro, o grupo tem na sua lista de parceiros empresas como a Embraer, Siemens, Volkswagen, Alstom, BMW e Caetano Bus. No espaço coube à NASA descobrir a cortiça nos anos 60, usando-a na proteção térmica dos Space Shuttle e mísseis. O trabalho também envolve a Agência Espacial Europeia, agora com o objectivo de simplificar a reentrada das cápsulas espaciais em terra. E aterrar em Marte é mais uma missão ao alcance da Corticeira. 

Notícias de cá... 6 abril 16

Por: A.F.
Um copo inquebrável, cheio com uma quantidade de vinho equivalente a um quarto de garrafa, produzido por alguns dos mais importantes produtores nacionais é a mais recente novidade da Wine Spiritus, que em 2012 surgiu no mercado com o conceito de vinho, licores e azeite em tubos, a Wit (Whine in Tube).
A Split, marca.conceito de vinho ao copo, foi desenvolvida em 2014 por três jovens empreendedores e uma família ligada ao vinho há 15 gereações, a família Van Zeller. Lançada na Bolsa de Turismo de Lisboa, a Split começou já a ser comercializada e as estimativas para o primeiro ano são vender entre 40 a 50 mil unidades com um preço unitário recomendado de €1,49.
Os primeiros sectores abordados são os hotéis, restaurantes de serviço rápido, tal como self-service, desde comida rápida a comida orgânica, take-away, entrega em casa, street food, entre outros.Os festivais de música e outros eventos são também pontos de venda onde a Split pretende estar presente.
Dentro do formato em tubo a Wine Spiritus aposta ainda nos azeites, licores, whiskies, vodkas e gins, comercializados em embalagens vocacionadas para os turistas estrangeiros em que a portugalidade dá o mote sob a marca Portugal in a Tube. Bebendo a História do Vinho do Porto (embalagem com três tipos de Porto e um livro pintado a aguarelas que conta a história desse vinho generoso) é o produto mais procurado neste segmento. As lojas Portfólio nos aeroportos de Lisboa, Porto e Funchal são os pontos de venda dos produtos Portugal in a Tube.

Breves, 7 Abril 16

Amadora

A Galeria Municipal Artur Bual inaugura hoje, pelas 18.30,  "Alma Além-Tejo", a exposição de homenagem póstuma ao pintor e artista multifacetado António Galvão (1945-2015).

Esta mostra que pode ser visitada at+e 8 de maio, resulta de uma parceria com a Câmara Municipal de Moura, localidade para onde se deslocará a exposição, após o dia 8 de maio.

Breves, 4 abril 16

Anadia

Divulgar e promover a Ciência é o objetivo da presença, em Anadia, do Champimóvel, um simulador da Fundação Champalimaud, que estará instalado junto da Biblioteca Municipal, de 4 a 8 de abril, com o apoio do município.

A Ação Champimóvel é dirigida principalmente a alunos dos 2o e 3o ciclos de escolaridade, e proporciona o visionamento de “O Futuro da Ciência”, um filme 4D interativo, com a duração de 25 minutos, transmitido num simulador itinerante. Trata-se de uma viagem através do corpo humano, guiada pela personagem Champi