Blade Runner 2049

BladeRunnerPor: Mário Sergio

“ Não há melhor morte que morrer por uma causa justa “

Este filme não me decepcionou, pois seguiu a linha de pensamento do anterior, colocando questões sobre vida e morte , e sobre a inteligencia artificial. No primeiro, é colocada uma questão sobre se as “máquinas” criadas para serem escravas dos homens, seguindo uma tradição já anterior, que dizia que os escravos não tinham alma . E tudo se desenrola numas luta de classes, os homens e as máquinas .

BladeRunner17Um enredo fantástico tanto no primeiro, como no segundo filme.

No primeiro o caçador das máquinas acaba réfem duma paixão e desaparece da circulação. No segundo, surge um boato que tinha sido descoberto uma criança que seria fruto dum amor em que, pelo menos a mãe seria uma “ máquina “.

A partir daí, é um policial com essência , que mostra uma luta por uma causa justa : poderão as máquinas ter filhos , e assim serem considerados humanos ?

Não conto mais, para irem ver o filme .

Todos os actores estão bem , com um especial para o papel secundário e é claro para Harrison Ford .

Não tem violencia desnecessária , só a suficiente para que a frase “Não há melhor morte que morrer por uma causa justa “ .

A musica é boa , mas a musica do primeiro , composta por Vangelis é melhor .

Termino com uma frase batida : Obrigado e bom filme !

cyberjornal, 7 Outubro 2017

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!