Apresentação de “100 Noites com poemas”

0SDR17Medievlivr 8“100 Noites com poemas” é o título do livro que foi apresentado na tarde do passado dia 9, que dá a conhecer poemas dos participantes nas tertúias literárias que entre 2005 e 2014 se realizaram na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana.

O obra foi coordenada por Jorge Castro, dinamizador daqueles encontros e a sua edição foi possibilitada graças ao apoio da Junta de Freguesia local.

0SDR17Medievlivr55A apresentação do livro esteve a cargo do Professor Dr. José d'Encarnação, que assinou igualmente o seu prefácio.

José d' Encarnação começou por fazer um enquadramento histórico sobre o início das tertúlias literárias: «A hora é, pois, de celebração. Por feliz coincidência, dentro de um castelo medieval, a mostrar que, se temos futuro, é porque ele dispõe de fortes raízes para se alimentar. Desse passado brota a seiva, a experiência, o exemplo».

Prosseguiu, afirmando: «Cem noites aqui foram passadas, que não foram aquele mero encontro, tertúlia de amigos e de curiosos que se deliciavam a dizer versos alheios e próprios, acompanhados, por vezes, de um toque musical para espairecer. Duas horas até à meia-noite, em jeito de eficaz pretexto para um suave adormecer em braços de fagueiras musas, na feliz expectativa de um ainda mais fagueiro amanhecer! Não! «Aquilo» – um mundo! – assumiu pouco a pouco tais dimensões que imaginamos contratorpedeiro gigante e somos abalroados mesmo, sem tir-te nem guar-te! Submersos, esmagados por tão fecundo caminhar, por tão variadas temáticas, portentoso manancial de ideias, personalidades, poemas, qual enorme biblioteca de estantes bem recheadas de preciosos livros, lombadas d’oiro, ricos pergaminhos … Mancheia de Cultura!

[…]

O volume que ora temos nas mãos é muito mais do que esse repositório de afectos, cumplicidades e fraternidade. Relatos concisos, mas pormenorizados, de cada sessão, palavras elegantemente manuseadas, frases brandidas como floretes em rigorosa aula de esgrima… Que expressões culturais não foram aí abordadas? Mui difícil será dizê-lo! Que a poesia, afinal, constituiu pretexto para muitas viagens outras pelos mais variegados ramos do saber!

Podia cá fora sentir-se aquela morrinha que nos entra, incómoda, ossos adentro; podia a jornada ter sido arduamente condimentada de fel e vinagre… […] Ali, porém, como que reunidos em torno de mui acolhedora lareira, os poetas deixaram tudo isso lá fora e a Cultura docemente os envolveu.

Uma centena de vezes, aqui miudamente ora se conta.

Relembrando os serões, reconfortamo-nos também.

E brota-nos, espontâneo, inevitável, deliciado, ciciado e caloroso: bem hajam!»

Antes da sessão de autógrafos, registaram-se ainda as intervenções do autor, Jorge Ramos e da presidente da autarquia local, Fernanda Gonçalves.

Na ocasião foi ainda recordado Carlos Carranca, poeta e grande divulgador de poesia, que não pode estar presente e mencionado o mais idoso ds tertulianos que participaram na obra, José Baptista Coelho.

Entre os inúmeros convidados presentes no lançamento do livro, que decorreu no Mercado de São Domingos de Rana, no âmbito da III edição da Feira Medieval da freguesia, estava um grupo de tertulianos vindos de Coruche.

Esse grupo foi formado por Ana de Freitas, uma das participantes dos encontros dinamizados por Jorge Castro, que decidiu criar na sua terra um evento idêntico, cujo mote é “Um poema na Vila”.

cyberjornal, 12 abril 2017 

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!