Três Meses no Limoeiro

livLimoeiro capa 2Por: José d’Encarnação

Tem pugnado Fernanda Frazão, a responsável pela editora Apenas Livros, por dar a conhecer textos que caíram no domínio público e que se revestem, afinal, de um perene interesse. Vai vasculhando aqui e além e acaba por encontrar verdadeiras preciosidades.

Assim aconteceu com Um Português Derretido (A Pitoresca História de D. Álvaro Pires de Castro, 1º Marquês de Cascais, a cuja edição, no ano passado, quis mui gentilmente associar a Associação Cultural de Cascais.

Isso mesmo sucedeu agora com a história de Faustino da Fonseca (Angra do Heroísmo, 1871 – Lisboa, 1918), que, em Três Meses no Limoeiro, conta miudamente o que foi a sua permanência em tão sinistro calabouço, de 7 de Agosto e 6 de Novembro de 1896, preso por ter ousado criticar, em artigo publicado no jornal A Vanguarda, «a falta de prestação de contas da Câmara Municipal de Lisboa relativamente à subscrição nacional motivada pelo Ultimato Inglês».

No texto preliminar, datado do Limoeiro a 24 de Outubro de 1896, queixa-se Faustino da Fonseca do seu «isolamento forçado» e, por isso, impedido de fazer outra coisa, entreteve-se a escrever «ligeiras notas», «sem nenhumas pretensões». Declara que vai expor «o que é a cadeia, o que foi, o que deveria ser» e acrescenta:

«Colhi, compilei e publico dados estatísticos inéditos».

Uma forma, confessa, de lembrar esses «três meses longos, fastidiosos, intermináveis, aborrecidíssimos».

Aborrecido não vai ficar, porém, quem se der ao trabalho de o seguir nestas perto de 120 páginas, que se lêem de afogadilho.

Congratulo-me, pois, vivamente com a mui válida iniciativa de Fernanda Frazão.

 

 

 

 

cyberjornal, 22 Fevereiro 2018

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!