No Casino Estoril, viveu-se, de facto, a magia do Natal

Casino Estoril Silvestre FonsecaPor: José d’Encarnação

 

 

 

Uma celebração que primou pelo à-vontade e superior presença de Silvestre Fonseca, também ele um mágico no dedilhar da sua singular guitarra de duas cadências e mui extraordinária sonoridade. Momentos houve, em que o ‘timbre’ da guitarra e a sobriedade exemplarmente mantida no acompanhamento das canções, nos enlevou, qual harpa bem dedilhada!...

 

 

 

 

 

Espectáculo que o músico concebeu para, em espontâneo clima de suma leveza, fazer passar pelo palco os seus convidados: os Emotion Kids, o coral Emotion Voices, a Orquestra Lusitana, servindo estes dois de fundo, digamos assim, dirigidos pelo maestro Gonçalo Lourenço, aos cantores que em cena se sucediam: Francisco Naia, Carlos Alberto Moniz, Dany Silva, Inês Fonseca, Fernando Tordo, a soprano Sofia de Castro, a fadista Ana Lains.

Começara a entoar-se o Aleluia de Haendel, quando Nuno André entrou de improviso e o coro foi obrigado a calar-se, porque de magia espiritual ia passar-se a magia de truques mágicos. Divertimo-nos. E ficámos de boca aberta com a genialidade desses truques (como é que ele faz aquilo?...). Terminada essa magia, recomeçou a outra, no ponto em que o desassombrado mágico a ousara interromper.

Salão Preto e Prata do Casino Estoril completamente emoldurado, na noite de sábado, 22 de Dezembro, por uma assistência que, no final não regateou aplausos e «bravos!», deliciada com as quase duas horas que lhe fora dado viver.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

cyberjornal, 25 Dezembro 2018

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!