Dança e Música no Teatro Aveirense

Aveiroteatro

 

Em parceria com a Câmara Municipal de Aveiro, a Fundação Portugal Telecom (Fundação PT) traz ao Centro de Congressos de Aveiro a peça de teatro “ID, A Tua Marca na Net”, um dos eixos de atuação do Comunicar em Segurança, programa de voluntariado que visa preparar alunos e professores para a utilização correta e segura das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

No espetáculo que irá decorrer na próxima segunda-feira, dia 30 de janeiro, pelas 15.30 horas, vão participar mais de 500 alunos das Escolas do Município de Aveiro, contudo informamos que ainda há lugares disponíveis para quem pretenda assistir à peça de teatro pelo que as inscrições para o email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .

“ID, A Tua Marca na Net”, que aborda a identidade e a reputação digitais, é uma peça de teatro com Alexandre Silva, Pedro Górgia e Vicente Morais em torno das questões mais prementes da utilização das TIC, complementa as iniciativas desenvolvidas no âmbito do Comunicar em Segurança em instituições escolares.

Dança 

Na próxima semana o Teatro Aveirense apresenta dança e música. No dia 3, sexta-feira, a proposta vai para o espetáculo “Climas” pela Circolando e no sábado, dia 4, a Banda Amizade irá partilhar o palco com a Brigada Victor Jara.

Após a residência artística realizada no Teatro Aveirense entre 4 e 6 de novembro de 2016, a Circolando apresenta o seu mais recente trabalho “Climas” no dia 3 pelas 21.30 horas, uma coprodução do Teatro Aveirense / Câmara Municipal de Aveiro.

Numa espécie de estação meteorológica e laboratório de formas artísticas, Climas toma como ponto de partida o desígnio goethiano de “reintegrar o céu na paisagem humana”. No seu Diário das Nuvens, Goethe defende a ideia de que a observação atenta da natureza poderá desenvolver no homem uma outra forma de lucidez. Climas desafia o potencial performativo destes diálogos felizes entre poesia e climatologia, contemplação e pensamento, explorando a vitalidade e a imprevisibilidade de nos deixarmos atravessar pelas mais variadas forças naturais. O aquecimento global é pensado como um estado febril e inquietado, próprio dessa forma de pântano no limiar da rebentação.

No dia 1 de fevereiro, às 18.30 h, haverá ainda a oportunidade para experimentar com André Braga algumas das matérias de trabalho e pesquisa que abordaram durante o processo de criação na oficina de movimento “Parar a olhar o céu”.

 Música

Sábado, dia 4 a Brigada Victor Jara e a Banda Amizade apresentam um concerto pelas 21.30 horas. Às 11.00 horas terá lugar uma Oficina de Canto Tradicional.

Ao longo de quarenta anos, que vem comemorando nestes dias, a Brigada Victor Jara gravou e levou aos palcos mais de uma centena de canções de raiz tradicional. 

Quarenta anos de cantigas vindas de um chão em que viveram outras vidas - onde foram feitos de trigo, embalo de menino, incitamento de homens e de bichos, testemunho de fé. 

No palco aonde as fomos levando ganharam novos timbres, mais vozes, outras idades. Para este concerto serão estas as cantigas que traremos, umas daqui, outras dali, todas elas, sinal de que a gente que na (da) terra vive não se limita à produção do alimento da barriga - é da alma que se ocupa, sabido o descuido de que os deuses são capazes. Desta vez outros timbres, outros tecidos entrarão nas suas vidas - as das cantigas e as da Brigada. A Banda Amizade estará no palco, não como um traje que se veste, mas como corpo inteiro dos próprios cantos populares, ela mesma instituição do povo e da Música da nossa terra.

CMA/cyberjornal, 27 janeiro 2017

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!