100 salgueiros nas margens do Antuã

AntuasalgueirosFoi um dia dedicado à natureza e em especial à floresta autóctone. É indispensável que as árvores originárias do nosso país ganhem raízes cá e com esse objetivo a Câmara Municipal de Estarreja plantou mais uma centena de salgueiros, ao longo dos Percursos do BioRia de Salreu e do Antuã, que terão a missão de proteger as margens do rio de possíveis rombos. Durante as comemorações do Dia da Floresta Autóctone, que tiveram lugar no dia 1 de Dezembro, o Município ECO XXI hasteou a bandeira verde no Edifício dos Paços do Concelho, transmitindo a todos os munícipes a aposta fulcral na defesa do ambiente.

 

 

 

 

 

Paula Silva, do Setor de Serviços Urbanos e Ambiente e da organização das comemorações do Dia da Floresta Autóctone (que se celebra a 23 novembro), que a Câmara Municipal vem assinalando nos últimos anos, disse que comemorar este dia “significa sensibilizar para a necessidade de se plantar espécies autóctones na nossa floresta, que infelizmente tem sido invadida por espécies infestantes, que constituem um perigo para a nossa floresta”.

Vários momentos distintos marcaram as comemorações: a remoção de infestantes junto ao Rio Antuã, a plantação de salgueiros-negros, atividades de sensibilização ambiental, a distribuição do Cartão de Cidadão do Salgueiro-negro (Salix atrocinerea) a todas as crianças do 1º ciclo e pré-escolar do concelho, o hastear da bandeira ECO XXI e a partilha de experiências pela Eco Escola Egas Moniz de Avanca.

Após “a remoção das infestantes que existiam” ao longo de um troço de 600 metros na margem norte do Rio Antuã, nomeadamente acácias que “não conseguem consolidar as margens”, a Câmara Municipal de Estarreja promoveu a plantação de 1 centena de salgueiros junto ao Rio Antuã que irão ter a importante missão de fortalecer as margens. As árvores invasoras não são capazes de as proteger e com as chuvas, “a força da água por causar rombos o que não aconteceria com uma espécie autóctone, cuja ramificação permite a consolidação da margem”, explicou a técnica.

Mais de 300 crianças envolvidas

A plantação decorreu na última segunda-feira, dia 1 de dezembro, com a colaboração de 3 centenas de crianças para quem a Câmara Municipal preparou um conjunto de atividades pedagógicas e de sensibilização ambiental, junto ao Esteiro de Salreu, entre o CIA – Centro de Interpretação Ambiental e o antigo armazém de sal e junco, agora recuperado no âmbito do Polis da Ria de Aveiro.

Adosinda Vinagre, da Escola Básica Visconde de Salreu, deixava o seguinte comentário: “Eu estou a gostar bastante e os alunos estão bastante entusiasmados. Há uma diversidade grande de atividades, está a ser diferente e por isso já vale a pena. Eles conseguiram ver algumas aves e ficaram espantados com a existência de lontras, porque não faziam ideia que estes animais viviam aqui tão perto deles. A Câmara Municipal está de parabéns!”.

À tarde, o Presidente da Câmara Municipal, Diamantino Sabina, e o Vereador da Educação, João Alegria, hastearam a Bandeira “Município Eco XXI – 2014” e receberam dezenas de crianças e jovens no Salão Nobre do Edifício dos Paços do Concelho. Eco Escola há 12 anos, a EB 2,3 Egas Moniz de Avanca veio falar da sua experiência e do trabalho que desenvolve, encorajando outras escolas a seguirem a sua pegada ambiental e a realização de ações de educação ambiental e de desenvolvimento sustentável.

A iniciativa da Câmara Municipal envolveu o Setor de Serviços Urbanos e Ambiente, o Gabinete de Proteção Civil e Florestal e o BioRia.

 

 
CME/cyberjornal, 12 Dezembro 2014

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!