Vantagens de ter filhos e irmãos

familia5

Decorreu no passado dia 23 de março, sexta feira, no auditório da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, a primeira discussão pública sobre as vantagens organizacionais de ter filhos e irmãos. 

As investigações levadas a cabo por duas alunas da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, vêm revelar de que forma as relações familiares influenciam o desempenho laboral dos indivíduos

“A relação positiva entre irmãos está relacionada com um melhor desempenho das tarefas em equipa e com uma melhor relação com os colegas de equipa”, refere Carolina Henriques, investigadora da FPUL.

Os resultados estatísticos do estudo agora publicado revelam que, no caso de más relações entre irmãos, a relação entre colegas pode estar comprometida ainda que o cumprimento de tarefas seja concretizado.

Por outro lado, Cláudia Dias, investigadora da FPUL, sublinha que esta pesquisa revela que “o facto de se ser pai/mãe potencia o desenvolvimento de competências importantes para o desempenho profissional dos colaboradores”.

“O nosso estudo evidencia que os colaboradores que se consideram pais “autoritativos” (os que exigem com afeto) têm uma maior propensão para serem líderes transformacionais no trabalho, ou seja, os indivíduos que exercem um modelo educativo positivo com os seus filhos, são líderes mais eficazes”, conclui Cláudia Dias.

A Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas e a Quasar Human Capital, foram as entidades promotoras deste estudo que vem, segundo Carolina Henriques, agora evidenciar que “a existência de uma boa relação entre irmãos e de uma parentalidade positiva estão associadas a competências que são cada vez mais procuradas nas organizações e que são fundamentais para o bom desempenho dos colaboradores e em última instância para o bom funcionamento das próprias organizações”.

O trabalho de campo, organizado em duas fases – focus groups e questionários - foi conduzido pelas duas mestres da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa entre outubro de 2016 e maio de 2017 em três empresas portuguesas (duas grandes empresas e uma pequena e média empresa), num universo de cerca de 400 indivíduos.

APFN/cyberjornal, 28 Março 2018

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!